30/06/2016

O sistema de coordenadas polares

Um sistema de coordenadas no plano permite-nos associar um par ordenado de números a cada ponto do plano. Essa ideia simples e profunda que surgiu nos trabalhos dos matemáticos René Descartes e Pierre de Fermat, no século $XVII$ permite juntamente com o Cálculo investigar as propriedades das curvas através das ferramentas da Álgebra.


Na maioria dos casos, é abordado apenas o sistema de coordenadas retangulares ou cartesianas, no qual a ênfase é colocada sobre as distâncias de um ponto a dois eixos perpendiculares. Em algumas aplicações, tais como a curva descrita por um planeta em torno do sol, é mais vantajoso usar um outro sistema de coordenadas cuja posição de um ponto é descrito por sua direção a partir da origem, e por sua distância da origem. Um tal sistema é chamado de sistema de coordenadas polares.

Na figura acima, temos um ponto $P$ juntamente com suas coordenadas. A semirreta $OA$ é chamado eixo polar e $OP = r$ é o raio vetor. A direção especificada por um ângulo $\theta$ em radianos, medida a partir de $OA$. Este ângulo $\theta$ é positivo se for medido no sentido anti-horário e negativo se for medido no sentido horário exatamente como se faz na Trigonometria. A distância é dada pela distância orientada $r$, medida a partir da origem ao longo do lado terminal do ângulo $\theta$. Os dois números $r$ e $\theta$ escritos nesta ordem e denotados por $(r,\theta)$ chamam-se coordenadas polares do ponto. Observe que a semirreta $\theta = 0$ é o semi-eixo positivo dos $x$ e $\theta = \pi/2$ é o semi-eixo positivo dos $y$ e $r = 0$ indica-se a origem ou polo do sistema de coordenadas polares.

O termo "distância orientada" é devido ao fato de que em algumas situações encontramos $r$ negativo. Nesse caso, subentende-se que em vez de sair da origem no sentido indicado pelo lado terminal de $\theta$ nos dirigimos para a origem a ponto, percorrendo uma distância $r$ no sentido oposto a ele. Para compreender melhor este caso observe a figura abaixo.


Podemos associar o sistema de coordenadas polares com o sistema de coordenadas cartesianas colocando o eixo polar sobre o eixo $x$, de modo que eixo polar $OA$ aponte para o sentido positivo do eixo $x$ como na figura acima. Nesta figura, o ponto $A$ possui coordenadas $(3,\pi/4)$, mas este ponto também tem coordenadas polares dadas por $A(3,\pi/4 + 2\pi)$. Assim, todo múltiplo de $2\pi$ somado ou subtraído da coordenada $\theta$ de um ponto produz um outro ângulo com o mesmo lado terminal; portanto, temos uma outra coordenada $\theta$ do mesmo ponto.

Simmons comenta em seu livro de Cálculo com Geometria Analítica que: "o fato de que um ponto não é representado por um único par de coordenadas polares é um aborrecimento, embora pequeno. Contudo, é verdade que qualquer par de coordenadas polares dado determina o correspondente ponto sem nenhuma ambiguidade."

Agora, já temos dois sistemas de coordenadas no plano e próximo passo é descobrir o modo de transformar as coordenadas de um sistema nas coordenadas do outro e vice-versa. Para isso, considere a figura abaixo:



Do triângulo retângulo, temos $\cos (\theta) = \cfrac{x}{r}$ e $\text{sen} (\theta) = \cfrac{y}{r}$. Assim, para transformar coordenadas polares em coordenadas cartesianas, usamos as expressões:
\begin{cases}
x = r\cos (\theta)\\
y = r\ \text{sen} (\theta)
\end{cases}
Novamente deste triângulo retângulo, temos
\begin{equation*}
\text{tg} (\theta) = \frac{y}{x} \Longrightarrow \theta = \text{arctg} \left(\frac{y}{x}\right)
\end{equation*}
e pelo teorema de Pitágoras,
\begin{equation*}
x^2 + y^2 = r^2
\end{equation*}
Estas expressões nos fornece o caminho para transformar coordenadas cartesianas em polares, isto é,
\begin{cases}
\theta = \text{arctg} \left(\cfrac{y}{x}\right)\\
r = \sqrt{x^2 + y^2}
\end{cases}

Exemplo $1$:

Transforme:

$a)$ $(3,4)$ para coordenadas polares;
$b)$ $(2,\pi/3)$ para coordenadas cartesianas.

Resolução:

$a)$ Neste caso, $r = \sqrt{3^2 + 4^2} = 5$ e $\text{tg} (\theta) = \cfrac{4}{3}  \Longrightarrow \theta = \text{arctg}\left(\cfrac{4}{3}\right)$.

$b)$ Analogamente, usando as expressões acima, temos
\begin{equation*}
x = 2\cos \left(\frac{\pi}{3}\right) = 2\cdot \frac{1}{2} = 1
\end{equation*}
e
\begin{equation*}
y = 2~\text{sen} \left(\frac{\pi}{3}\right) = \sqrt{3}
\end{equation*}
Se o raio vetor $r$ está relacionado com $\theta$ através da expressão $r = f(\theta)$, então se a função $f(\theta)$ é razoavelmente simples, podemos esboçar o seu gráfico escolhendo uma sequência adequada de valores de $\theta$ e calculando os valores correspondentes de $r$. O gráfico polar abaixo nos auxilia nesta tarefa.


Exemplo $2$:

A curva cuja equação polar é $r = 2~(1 + \cos (\theta))$ é conhecida por cardioide (coração em latim). Sua representação no gráfico polar é dada na figura abaixo.



Outros gráficos podem ser gerados desta forma, tais como circunferências, limaçons, lemniscatas, espirais, rosáceas, entre outros.

* Este artigo é uma republicação. O link do artigo original encontra-se nas referências.


Referências:

[1] O sistema de coordenadas Polares no blog Fatos Matemáticos, originalmente escrito pelo prof. Paulo Sérgio C. Lino

Veja mais:

Números complexos 
Área em coordenadas polares
Centro de gravidade de áreas planas



Siga também o blog pelo canal no Telegram.

Compartilhe esse artigo:


Achou algum link quebrado? Por favor, entre em contato para reportar o erro.
Leia a política de moderação do blog. Para escrever em $\LaTeX$ nos comentários, saiba mais em latex.obaricentrodamente.com.

6 comentários:

  1. Muito interessante a postagem!
    Muitas vezes nos perguntamos sobre a necessidade de estudarmos outros tipos de coordenadas além daquelas que já aprendemos na escola durante o ensino fundamental e médio, isto é, além das famosas coordenadas cartesianas.

    O fato é que, a introdução de novas coordenadas tem o intuito de aumentar as aplicações e reduzir as contas.

    Imaginemos a seguinte situação:
    Um programador foi contratado em um indústria para escrever o código fonte do movimento de um braço mecânico que irá montar os carros de uma industria de automóveis, visto que os movimentos descritos pelo braço mecânico são movimentos circulares e movimentos de extensão e contração do braço, é mais adequado a utilização de coordenadas polares.

    Outra aplicação bem interessante são os microfones cardióides (a curva descrita na postagem), a área de abrangência descritas por microfones deste tipo forma exatamente a região de uma cardióide!

    Muito boa a postagem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Diego. Obrigado pelo comentário.

      Aplicações necessitam de estudos mais específicos, o que são vistos no ensino superior.

      Não queria citar mais um clichê, mas a matemática está em tudo mesmo. E conforme vamos nos especializando, conseguimos ver as aplicações mais claramente.

      Gostei da informação sobre os microfones, não sabia desta.

      Um abraço!

      Excluir
  2. Muito legal a postagem... Trabalhei este tema há poucos dias! Vou recomendar aos estudantes junto com as notas da disciplina!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Charles. Só tenho a agradecer.

      Um abraço!

      Excluir
  3. Mais uma excelente postagem do Blog.
    São inúmeras as aplicações com as coordenadas esféricas. Em linhas gerais, buscamos a mudança de coordenadas para prover alguma simetria na resolução de problemas.
    Em deduções de campos eletromagnéticos, geralmente buscamos auxílio em coordenadas esféricas e cilíndricas. A saber:
    Em coordenadas esféricas, o vetor diferencial de deslocamento seria:
    $$\vec{r(r,\theta,\phi)}=dr \vec{a_r}+r d\theta \vec{a_{\theta}}+r sen \theta d \phi \vec{a_{\phi}}$$

    E em coordenadas cilíndricas:
    $$\vec{r(\rho,\phi,\z)}=d \rho \vec{a_{\rho}+\rho d \phi \vec{a_{\phi}}+dz \theta \vec{a_z}$$

    Att,
    Diogo Cardoso

    ResponderExcluir
  4. Muito bom artigo. Gostei também do comentário da cardioide.

    A mudança do sistema de coordenadas simplifica em muito a resolução de problemas, como alguns problemas de Física avançada com resolução de equações diferenciais.

    Existem ainda outros sistemas de coordenadas para 2D, que é o citado no texto, e 3D. Coordenadas elípticas e coordenadas parabólicas, que podem ser expandidas para 3D.

    Coordenadas elípticas entrelaçam elipses e hipérboles. O cruzamento destas figuras determinam o pontos.

    E da mesma forma que coordenadas cilíndricas possuem um aspecto como uma base circular, coordenadas cilíndricas elípticas e parabólicas possuem este aspecto como uma elipse e uma parábola no plano.

    Tem um livro de Eletromagnetismo da Coleção Schaum que mostra uns exemplos destes outros sistemas de coordenadas.

    ResponderExcluir

Whatsapp Button works on Mobile Device only

Pesquise no blog